Archive for maio \29\UTC 2007

enfim

29 maio, 2007

porque desacreditar em deus foi bem mais difícil do que pensar na morte. Porque vejo sempre antes onde vai doer: hepatite, morte de minha avó, além de dores outras. E essa sensação crescente de que há algo canceroso no meu de dentro.

Anúncios

Na minha rua tem pessoas.

25 maio, 2007

Percebi agora. Passam grande parte do dia debaixo do portão de casa, conversando e fazendo nada entre si, olhando para os lados, angustiados. Já não sei se fazem parte do meu cenário ou se sou parte do deles. Como que a roda da minha vida girasse 360 graus todos os dias, e eles lá, estacionados, catando as folhas que caem da árvore. Tenho vontade de chacoalhar aquele careca que só fala de futebol com os igualmente tediosos, ou aquela velha com cara de deboche que parece que sabe mais da minha vida do que meu orkut. Tenho vontade de perguntar porque não morrem logo, e páram de olhar pra mim com tanta inveja, ou se as roupas nunca devem ser lavadas.

17 maio, 2007

O fato de já estar sentado com ela já seria um triunfo. E ela falando e falando, dizendo coisas que haviam e que não. Empolgada, mexia os braços, regia suas palavras, o rosto vermelhando, e eu sem saber onde enfiar meu sorriso, não podendo falar mais sobre; escritores não devem analisar suas obras: deixem os braços deles balançarem e os suores descerem.

 

Assim foi. Elogios seriam acessórios, diante do fato da professora de literatura mais-mais ter lido “Dora e Lipe” tantas vezes que me lembrava das coisas esquecidas. Em um hiato de 30 minutos eu não era professor de nada, filho de alguém ou irmão de nenhum, nem azul.

blog

13 maio, 2007

É um algo novo e velho, fadado ao oblivion – palavra essa que nem sei tradução – como aquelas construções antigas que nem ruínas restam, ao esquecimento do esquecimento, ao nada. Aos vinte-e-sete anos pensava ir a algum lugar, ou já ter ido, ou estar dentro dele, mas aqui estou, no mesmo seu barco, contando

fot_ravi_g.jpg

‘duas histórias: uma num (sic) me lembro bem… a outra é a que consigo agora: a minha.’ (Minino, Abril despedaçado -1999)