Archive for janeiro \30\UTC 2008

Ouro Preto -MG, 20/1/08

30 janeiro, 2008

s6300836.jpg

Casas que já nem ligam mais em serem vistas, de o tempo passar e de tanto valor dado: existirem. Lugar-lugar de pessoas e de tanta vida vivida-morrida em dentro.

Retomando

13 janeiro, 2008

Deve ser com todo mundo isso, ou não, mas estar sem obrigações de trabalho ou estudos é tão engrandecedor pra mim, como pessoa, que nem sei como definir. Definitivamente não entendo aqueles que cultivam o tédio ou a inércia dos proprios seres, como se fossem viver para sempre. Talvez por isso que férias sejam tão bom: pra ser pôr as coisas em perspectiva; viajar, ler, rever pessoas, conhecer novas, e tudo aquilo que não dava. Hoje eu pedalei, minha bike dando aquela sensação de liberdade que é tão bom, e vejo que durante o ano terei isso de continuar, de ir mais longe. E ler, como é bom ter tempo pra ler, de ser leitor ativo, de não ter apenas o ônibus como sala-de-leitura. “Grande Sertão: Veredas”, do Rosa, já está no fim outra vez e sinto que leio pela primeira, de tanta coisa nova que me aparece. Espero tê-lo bem em mente quando estiver em Minas. “Cem anos de solidão”, do Garcia Márquez, e sua fantasticidade de me fazer voltar o espanto nas coisas triviais da vida, de brincar com o absurdo, porque viver é: perigoso e absurdo.

grandea-bike.jpg

dsc00050.jpg

7

9 janeiro, 2008

Como se vida fosse romance, e tivesse que pôr pra trás o ano que passou. Em resumo: corre-corre, pára, dói, acorda. Não tenho mais diários, não repasso minha vida como antes, as reflexões caindo em fragmentos em cadernos que ninguém jamais verá, e aqui eu só escrevo enquanto dói. Nem sei o quanto deixei de escrever o quanto doeu, e o tanto que tive de felicidades. Não há como contar as noites mal-dormidas, a dor lá de dentro enquanto sorria, os momentos em velocidades, ou os sorrisos dos queridos; sinto que ri menos do que deveria, e fiz mais gente rir do que nunca, mesmo que assim. Foi um ano de cinismo, que é natural na velhice que já me aponta na cara, de como envelheci no espelho, mas como me renovei no fim do ano; as alegrias voltando e finalizando o ano com muito amor e risos meus.

Mas vida não é romance, então, janeiro começa. =)