Archive for março \27\UTC 2008

à Pixar

27 março, 2008

pixar.jpg

Eu tenho um amor tão grande por essa empresa de crianças grandes que me fazem fazem chorar de alegria toda vez que vejo suas lindezas na tela. É inacreditável; eu costumava levar da escola em que trabalhava o vhs de “Toy Story 2” tantas vezes que minha desculpa de “vou usar ela na aula” era motivo de piada. Eu amo demais aquele desenho do Woody e do Senhor Batata e do Buzz. “Vida de inseto” ainda tá na minha construção como pessoa; e vejo que a anarquia pode ser algo saudável, sim, e, puxa, “Cars”; eu já vi 3 vezes e choro no final de tanta lindeza e vontade de apertar o Mater até ele explodir (ele e a Boo, de Monstros SA e a Dori, de Procurando Nemo). =)

 http://www.pixar.com/

Dora e Lipe

15 março, 2008

cerificado.jpg

Tive a idéia de escrever Dora e Lipe durante um cochilo na Cultura Inglesa; acho que sonhei rapidamente com uma menina bastante forte e opiniosa contracenando com um menino frágil e ao mesmo tempo enigmático e igualmente poderoso, e pensei que isso daria uma história legal. Os tijolos que fazem Dora é feito por algumas mulheres que já conheci, incluindo a minha avó e minha mãe, e posso dizer que sempre tive grande admiração por mulheres fortes, que o são por serem mesmo, e não por tipo. O caso do Lipe sou eu mesmo. Vejo no Lipe muito de mim e de uma inocência meio mitológica de pessoas que nasceram no planeta errado; Lipe é a infância impossível em tempos modernos e Dora, a maturidade precoce gerada pela própria visão “além” nascida com ela. Em resumo, ambos enxergam o mundo da mesma maneira e a forma com que cada um reage a essa visão é o que determina sua ações e consequências – é o resgate da real infância, dos que vivem num planeta chamado imaginação e o renegam quando crescem, ou até mesmo dentro da mesma infância, o que é um roubo, um estupro, condenando-os a enxergarem eternamente coisas vazias e efêmeras.

Obrigado, Dora. Obrigado, Lipe. Vocês vivem e mim, e nos que os conheceram em seu próprio meio: a imaginação. 

dora-e-lipe-vers-papel-10.doc

era de aquário.

12 março, 2008

não há como parar um instante?

Um segundo sequer?

E quando se faz,

dá pra ver todo mundo se movendo?

as mais simples, ridículas

formas cabeçudas

esfregando hormônios no ar?

O sumiço de todos nos dias úteis,

nas horas úteis,

pedindo pelo amor de deus pra ganhar papel no início do mês,

pelo amor de deus por um orgasmo à noite:

Eles se movem.>>>

(Britney, Bento, Bush, Big Brother, Bucetas:

religiões acordadas no silêncio machista feminista Adam Smithoniano: glória: domínio fálico comandado por vaginas)

>>>Sem o chocar de corpos,

sem o chocar de olhos,

sem o chocar de sentidos.

E antes de não sentir a bala entrar em seu crânio, se pergunte: Que caralho eu tenho a ver com essa porra? 

7 março, 2008

calvin4.jpg