Archive for the ‘poemas’ Category

o que no olho se lê, antes que eu o desvie

6 agosto, 2008

Que a porta se abra,

Ar entrando,

Ansiedade que chove,

Correndo de vez,

Rindo,

Aos olhos do meu filho

sou herói, deus, mito,

Palhaço, mágico, trapezista,

Abraço quente.

Dele, a leveza que me falta,

Cura, vida em bracinhos e mãos,

Paz sem culpa,

Afeto,

Medo com sinal de menos:

Saudade do que nunca tive.

Anúncios

para o doxo.

5 julho, 2008

Por tudo o mais, entenda, e queira,

talvez o nada, e pare.

era de aquário.

12 março, 2008

não há como parar um instante?

Um segundo sequer?

E quando se faz,

dá pra ver todo mundo se movendo?

as mais simples, ridículas

formas cabeçudas

esfregando hormônios no ar?

O sumiço de todos nos dias úteis,

nas horas úteis,

pedindo pelo amor de deus pra ganhar papel no início do mês,

pelo amor de deus por um orgasmo à noite:

Eles se movem.>>>

(Britney, Bento, Bush, Big Brother, Bucetas:

religiões acordadas no silêncio machista feminista Adam Smithoniano: glória: domínio fálico comandado por vaginas)

>>>Sem o chocar de corpos,

sem o chocar de olhos,

sem o chocar de sentidos.

E antes de não sentir a bala entrar em seu crânio, se pergunte: Que caralho eu tenho a ver com essa porra? 

Ele sabe

9 fevereiro, 2008

silêncio:

negocio uma frase com o vento.

quanto você quer?  não posso perguntar.

então ele entra em mim

e sai.

(mmmm)

Ele sabe.